quinta-feira, 4 de maio de 2017

Depressão Infanto-Juvenil é uma questão de saúde, diz deputada




A deputada estadual Aderlânia Noronha (SD/CE), apresentou o Projeto de Lei nº 103/2017, onde a parlamentar pede que a Semana Estadual de Conscientização sobre a Depressão Infantojuvenil, a ser realizada, anualmente, na primeira semana do mês de outubro, fique instituída, no Calendário de Eventos do Estado do Ceará. A parlamentar alerta aos pais que observem o comportamento de seus filhos, identificando assim a depressão na adolescência. Segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS), 20% das crianças podem mudar de hábitos e alterações na forma dela se relacionar com os amigos, com os próprios pais, irmãos, professores. 

A queda do rendimento escolar, o desenvolvimento de alguns medos e a perda de interesses são bons parâmetros para indicar que há algo errado e que pode se tratar de um quadro de depressão. Acompanhando pesquisas e lendo sobre o assunto, descobri que a criança fica apática, não quer brincar, se isola, fica quietinha o tempo inteiro, não se socializa. Posso dizer que exatamente o contrário da criança levada? Talvez represente (se não for um caso muito evidente de depressão) o sonho de todos os pais que trabalham muito, não têm tempo para educar e se preocupar com traquinagens. Este pensamento está correto? Isto ocorre?. "O importante é que façamos a nossa parte para alertar os pais e ajudá-los na orientação de como resolver o problema", disse. 

Assim sendo, a presente propositura visa conscientizar a população cearense sobre a existência da Depressão Infantojuvenil, seus sinais e sintomas, assim como busca mostrar como tal condição de saúde pode trazer muitos prejuízos à formação de crianças e adolescentes. Exposto isto, proponho a criação da Semana Estadual de Conscientização sobre a Depressão Infantojuvenil, a ser realizada, anualmente, na primeira semana do mês de outubro, visando estimular a promoção de seminários, palestras, fóruns de debates e campanhas sobre esse importante tema.



Fonte: Repórter Jonas Mello
Postar um comentário