domingo, 25 de junho de 2017

Governo Temer: tucanos no limite


 


Mesmo os tucanos que trabalharam pela permanência do PSDB no governo do presidente da República Michel Temer já admitem que não dá mais para segurar os dissidentes. A expectativa é que logo depois da votação da reforma trabalhista no plenário do Senado, o partido desembarque de vez. Bumerangue A pressão das siglas da base para que Temer se antecipe e desaloje os tucanos irritou ainda mais a ala que defende a ruptura. Hoje, 15 dos 46 deputados não votam com o governo.

Não mexa aí Senadores do partido afirmam que uma eventual retaliação do governo a Eduardo Amorim (PSDB/SE), que votou contra a reforma trabalhista em comissão do Senado Federal, soaria como um ultimato pelo rompimento. E não é? O PSDB diz que a exoneração de indicados pelo senador a cargos no governo poderia passar a impressão de que a sigla é fisiológica.

 
Postar um comentário