domingo, 2 de julho de 2017

Enquanto houver bambu vai ter flecha





O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou neste sábado que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de soltar o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) "faz parte do processo", mas em sua avaliação havia provas suficientes para pedir a prisão cautelar do parlamentar, já que se tratava de uma autoridade no "curso de cometimento de crime". O procurador, que fica no cargo até dia 17 de setembro de 2017, afirmou que até lá vai continuar no mesmo ritmo atual. "Até dia 17, a caneta estará na minha mão. Enquanto houver bambu, vai ter flecha", afirmou o procurador.


Postar um comentário